Portal da Minhoca

Letra R

REGENERAÇÃO – é o processo de substituição de segmentos mutilados do corpo da minhoca, com duração variável de acordo com o grau de lesão, que só recompõe a parte seccionada que contem a cabeça. A eficiência de recuperação depende da porção anterior reservada, por estar nela o cérebro que dita a correção: quanto mais distante da cabeça for o corte, maiores serão as chances de regeneração.

REPTAÇÃO PERISTÁLTICA – é a forma que as minhocas têm de locomoção baseada no mecanismo de resposta voluntária do sistema nervoso, que orienta movimentos de contração e relaxamento da musculatura de seus anéis. A locomoção é auxiliada pelo liquido celomático, que é o componente da distensão e por lubrificar o caminho, e pelas cerdas, que se fixam em pontos do substrato para permitir o deslocamento.

RETO - é a parte do intestino da minhoca compreendida pelos anéis terminais em que não mais se encontra a tiflossole, uma dobra única e longitudinal que amplia a superfície de contato da parede intestinal aumentando a absorção dos nutrientes do alimento ingerido. O reto da puladeira havaiana (Amynthas hawayanus), por exemplo, é constituído pelos últimos 25 segmentos.

ROLHA - é o nome que vulgarmente se dá ao acúmulo com formato cilíndrico das fezes depositadas pelo minhocuçu-mineiro (Rhinodrilus alatus) na superfície do solo em que desemboca uma das galerias que dão acesso à câmara de quiescência. A rolha se torna enrijecida e tem a finalidade de abrandar a desidratação do minhocuçu durante os meses secos em que se mantém enovelado dentro do compartimento subterrâneo.

ROSA-MANSA - nome comum dado à minhoca geófaga denominada cientificamente de Pontoscolex corethrurus, que mede até 8cm e bota casulos esbranquiçados e arredondados. Espécie mais encontrada em número e freqüência nos solos brasileiros, a rosa-mansa recebeu este nome por ter a parede do corpo despigmentada, que permite a transparência da tonalidade rósea de seu sangue, e o sobrenome, por reagir com quietude quando molestada.

REVOLVIMENTO - é o nome que se dá à prática de revirar a matéria-prima da minhocultura durante o tratamento que a converte previamente em alimento para as minhocas. Este procedimento, feito com pás, enxada ou de forma mecanizada, tem o objetivo de baixar a temperatura e a umidade e, sobretudo, de incorporar ar aos montes, pilhas e leiras de resíduos orgânicos para favorecer a atividade de microrganismos envolvidos no processo de fermentação aeróbica.


Afrânio Augusto Guimarães - zootecnista / MINHOBOX