Inscreva-se para receber, toda semana, o Boletim da Minhoca com informações importantes sobre minhocas e minhocultura.

Minhobox | Boletim da Minhoca
  • Idioma Português
  • Idioma Espanhol
  • Idioma Inglês
Boletim da Minhoca

TÉCNICA MINHOBOX

          O Minhobox é o sistema de minhocultura vertical em caixas plásticas criteriosamente desenvolvido em conformidade com as exigências biológicas das espécies de minhocas que possuam potencial de exploração comercial.

       Basicamente, um minhocário em caixas, embora tenha custo de implantação mais elevado, se diferencia de um minhocário em colchões pela possibilidade de aproveitamento melhor do espaço, já que as caixas podem ser dispostas verticalmente em estantes.

           O Minhobox, indicado aos projetos menos vultosos e que tenham limitação de espaço para abrigá-los, se apropria a duas versões de produção mensal: só húmus ou minhocas e húmus.

       Comparado ao sistema tradicional de minhocultura em canteiros e em recipientes improvisados, a técnica desenvolvida pela equipe de zootecnistas da Minhobox apresenta numerosas vantagens:

 

Eliminação do peneiramento

Resolveu-se a maior dificuldade da minhocultura tradicional por dispensar o peneiramento para separar as minhocas do húmus que produzem. Com a passagem entre caixas, as minhocas se separam naturalmente do húmus e ficam livres do peneiramento e do manejo convencional com ferramentas cortantes: as minhocas descem para a caixa inferior e deixam o húmus puro na de cima.

 

Maior aproveitamento do espaço

    Podendo verticalizar o minhocário em baterias de até cinco níveis, ocupa-se menos espaço do que precisa a minhocultura tradicional: numa mesma área onde se produzem em canteiros 15 ton de húmus por período, as caixas garantem a produção de 45 ton mensais do adubo em pequenos cômodos, garagens, casas desocupadas, armazéns e galpões de criação animal desativados.

  

Proteção contra predadores

   Cobertas individualmente por uma capa, as caixas são também isoladas por funis antipredadores munidos de uma graxa bloqueadora na base das estantes, conferindo total proteção contra seus inimigos naturais. Em sistemas tradicionais, a vulnerabilidade aos predadores não se decresce por valas de água ao redor dos canteiros, por exemplo, ou por outros artifícios sem eficácia comumente usados. 

  

  Controle zootécnico efetivo 

  Através de uma plaqueta-calendário, o minhocultor dispõe de um meio simples e prático para controlar as tarefas de rotina do criatório: pinos com a cor de cada uma das caixas são introduzidos no orifício do dia certo do mês para indicar quando realizar a passagem das minhocas, fazer a colheita do húmus, iniciar a incubação dos casulos, alimentar filhotes e colher minhocas.

   

 

Mobilidade do minhocário

  O minhocultor pode usufruir de uma empilhadeira manual que conduz as caixas dentro do minhocário e as leva ao local de beneficiamento e embalagem. Com a propriedade de as caixas serem transportáveis, o minhocário pode ser perfeitamente transferido de instalação sem interromper a produção, vantagem que não se repete com os canteiros construídos no chão.

    

 Dispensa das reidratações 

     Abrigando o minhocário em local coberto, valendo-se da eficiência da capa em impedir a desidratação e associando o ajuste da umidade do substrato no dia do preenchimento da caixa com a densidade populacional de minhocas, as regas se tornam desnecessárias. As reidratações da técnica de canteiros, além deslocar minhocas para sentidos indesejados, diminuem a porosidade do substrato e acrescem os custos de produção. 

 

Aproveitamento maior da matéria-prima

     Adotando a densidade correta de minhocas e lhes oferecendo condições favoráveis para atuação, a transformação do substrato em húmus se torna mais completa nas caixas. A humificação no sistema convencional de minhocultura, por se processar com maior lentidão, diminui a qualidade do substrato e provoca um decréscimo no consumo, ocasionando desperdícios da matéria-prima.

    

Proteção do húmus contra pragas 

    O risco de infestação do húmus por ervas daninhas nos canteiros através de sementes deixadas por fezes de pássaros, espalhadas pelo vento ou liberadas pelas palhadas usadas para cobrir os canteiros, foi contornado. A transformação do substrato em húmus ocorre no ambiente isolado de cada caixa, impedindo as pragas que poderiam se disseminar nas culturas adubadas com o excremento das minhocas. 

 

Superprodução de minhocas

   Em UPMs, as caixas com reprodutoras são povoadas segundo a biomassa de minhocas definida por espécie que maximiza a eficiência reprodutiva. Os casulos são levados separados para caixas de incubação de onde se obtém a máxima produção de filhotes. Os sistemas tradicionais, desperdiçam casulos e minhocas recém-nascidas que vazam com o húmus durante o peneiramento.

    

Beneficiamento facilitado do húmus

    Para beneficiar o húmus obtido pelo Minhobox, o peneiramento do conteúdo das caixas se torna simplificado: já sem as minhocas, o húmus pode ser desidratado sob o sol ou em secadores até ganhar a umidade que não provoca o congestionamento das malhas. A prática adotada pelo sistema de canteiros se torna dificultoso por nem sempre estar em umidade de peneirá-lo e não ter como desidratá-lo por conter minhocas. 

 

 Praticidade na criação

     Em face da simplicidade das tarefas de rotina, em que se excluem as operações do sistema tradicional de minhocultura, como o peneiramento, a catação, as regas e o combate aos predadores, o Minhobox reduz consideravelmente os serviços. A mão-de-obra se restringe ao tratamento da matéria-prima e ao manejo do criatório, colhendo húmus, minhocas e sobrepondo caixas.  

 

Higienização

   A técnica Minhobox permite que as caixas sejam higienizadas periodicamente através de lavagens simples com solução de sabão lhes promovendo assepsia, se porventura as práticas sanitárias assim exigirem, e asseio. A criação em caixas, que não exala mau cheiro e nem atrai insetos, pode ser instalada até mesmo próxima de estabelecimentos domésticos. 

 

 

Obtenção de dieta viva

   Pelo fato de a técnica Minhobox poder paralisar o desenvolvimento de minhocas jovens das caixas de multiplicação no comprimento em que se permite a ingestão por animais de pequeno porte, gera-se um novo produto da minhocultura: o alimento vivo para anfíbios, peixes, pássaros, répteis e outros no tamanho que lhes seja apropriado.

   

 

 Utilização de espécies incomuns 

    A forma de produção do sistema Minhobox, que preserva as minhocas do manejo agressivo do sistema tradicional, admite a criação de outras espécies de minhocas menos tolerantes ao uso da peneira para separação do húmus e pequenas que vazariam com o adubo pela malha: a aninha-verde (Dichogaster annae) e a puladeira-havaiana (Amynthas gracilis) são dois bons exemplos. 

 

 

Rentabilidade mais elevada

  Economizando em mão-de-obra com a praticidade da produção, aproveitando melhor a matéria-prima e obtendo produtos diversificados e mais qualificados, a rentabilidade que se alcança com o sistema de minhocultura em caixas supera a margem de lucro alcançada pela criação onerosa de minhocas em canteiros.

 

  • Imprima esta página.
    Imprima esta página.
  • Envie esta página para alguém.
    Envie esta página para alguém.
  • Envie uma mensagem para a Minhobox.
    Envie uma mensagem para a Minhobox.
  • Deixe seu comentário sobre esta página.
    Deixe seu comentário sobre esta página.
  • Compartilhe esta página no Facebook.
  • Recomende esta página pelo Twitter.
  • Recomende esta página pelo Google+.
Deixe seu comentário sobre esta página.
Enviar
Envie esta página para alguém.
Envie uma mensagem para a Minhobox.